• tete


  •  

    Basta olhar ao redor para perceber como a tecnologia revolucionou milhares e milhares de coisas do seu dia a dia. O interessante é que isso aconteceu não só na área da comunicação, mas também em muitas outras mais, inclusive na SAÚDE

    Graças aos avanços tecnológicos, a medicina tem se beneficiado muito na área de pesquisas, por exemplo. Mas um item que merece grande destaque é a própria rotina da profissão. O dia a dia conturbado, com agendas lotadas e pouco tempo para lidar com as questões burocráticas, obriga o profissional da saúde a procurar meios mais práticos para realizar as atividades corriqueiras. E é exatamente aí que que entram os prontuários.

    Alguns médicos ainda preferem o meio tradicional, enquanto outros mais antenados já se adaptaram em lidar com a tecnologia dos prontuários eletrônicos. E você, o que acha? Entenda as diferenças entre eles e compare qual é a melhor opção para exercer a atividade médica com ética, segurança e profissionalismo:

               

    Prontuário de papel

     

    Embora o prontuário de papel já esteja sendo deixado para trás pela grande maioria, muitos médicos ainda se agarram ao tradicional preenchimento e armazenamento manual das informações. O problema é que existem muitas desvantagens nesse método que podem levar a grandes riscos, como:

     

    Perda total dos dados: A verdade é que a gente nunca se prepara para uma situação extrema. Imagine se acontece um incêndio na clínica ou consultório ou uma inundação por motivos de vazamento? Pois é! De uma hora para outra a papelada toda pode ser perdida. E o pior: isso é irreversível.

     

    Ação do tempo: Além dos fatores imprevisíveis, podem acontecer coisas previsíveis que também pode levar à perda dos dados. A ação do tempo, por exemplo, ou mesmo o mofo e umidade podem ocasionar o amarelamento ou mesmo a perda definitiva dos papéis.

     

    Falta de espaço: Com o passar dos anos e o aumento de pacientes, a quantidade de prontuários pode dobrar, triplicar e assim por diante. E onde armazenar tudo isso? O volume de arquivos se torna cada vez maior e a dificuldade de mantê-los organizados também.

     

    A falta de mobilidade: O prontuário físico, ou seja, de papel, não oferece uma mobilidade realmente eficiente. Isso porque ele não pode ser consultado de locais diferentes ou ao mesmo tempo, o que pode ser um problema em uma situação de emergência.

     

    E o Prontuário eletrônico?

    O prontuário eletrônico chegou junto com o avanço da tecnologia e trouxe muita mais agilidade  e precisão aos processos internos da clínica ou consultório médico. Confira as vantagens:

     

    Responsabilidade ambiental: Sabe aqueles milhares e milhares de papéis que você preenche? Então! Isso, de uma forma ou de outra, pode prejudicar a natureza por “n” motivos. Por isso, o uso prontuário eletrônico, além de uma alternativa muito mais prática e eficiente, é mais consciente em relação aos cuidados com o meio ambiente.

     

    Uso da tecnologia: Usar a tecnologia de ponta trazida pelos softwares orientados para este tipo de rotina pode ajudar a transmitir mais segurança também para o paciente. Perceber que você é um profissional antenado com as novidades ajuda a conquistar a confiança na sua prática.

     

    Agilidade: Emergências podem acontecer com qualquer um de seus pacientes. E poder acessar rapidamente as informações dele de forma clara, ágil e objetiva pode fazer toda a diferença nesse tipo de situação.

     

    Segurança das informações: O prontuário eletrônico é um meio bastante confiável para armazenamento das informações, pois conta com os mais avançados métodos de segurança oferecidos pela tecnologia.

     

    Percebeu como o prontuário eletrônico pode ser uma excelente solução para a sua rotina médica? Então:

     

    Confira também: Ética médica nas redes sociais: o que pode e o que não pode ser feito

    Voltar

       Empresas       Contato       Comercial       Catálago